Artur Gomes & Gumes - Meu coração Marçal Tupã Sangra Tupy & Rock And Roll


05/05/2006


Escrito por artur gomes às 09h03
[ ] [ envie esta mensagem ]

Dicas Fulinaímicas

 

 1 - Hoje – quinta feira - às 19:45, Madan na ALL TV www.alltv.com.br no programa do André Domingues, falando sobre o seu mais recente CD “Brincando com palavras” com músicas minhas sobre poemas do poeta José Paulo Paes. O CD está sendo um sucesso de crítica e de público, foi pré-selecionado para o Prêmio TIM. www.premiotim.com.br e pode ser conhecido em www.uol.com.br/madan ou www.luamusic.com.br .
Apareçam para ver e fazer suas perguntas.
ALL TV - www.alltv.com.br - hoje - quinta-feira – às 19:45

 

2 – Amanhã – sábado 21h -  o imperdível show do meu brother Edvaldo Santana no Centro Cultural Cidadão do Mundo – Rua Rio Grande do Sul, 73 – São Caetano-SP –

www.cidadaodomundo.org.br

www.edvaldosantana.com.br

 

fulinaíma divulgação & produção cultural

www.fulinaima.com.br

www.fulinaima.hpg.com.br

http://fulinaimagomes.zip.net

Escrito por artur gomes às 09h02
[ ] [ envie esta mensagem ]

jura secreta número 2

 

não fosse esse punhal de prata

mesmo se fosse

e eu não quisesse

o sangue sob o teu vestido

o sal no fluxo sagrado

sem qualquer segredo

esse rio das ostras

entre suas pernas

o beijo no instante trágico

a lingua

sem que ninguém soubesse

no silêncio

como susto mágico

e esse relógio sádico

como um marquês de sade

quando é primavera.

 

Artur gomes

http://tropicanalice.zip.net

http://babycadelinha.blogspot.com

 

 

Escrito por artur gomes às 08h24
[ ] [ envie esta mensagem ]

Jura Secreta

 

 

não fosse essa jura secreta

mesmo se fosse

e eu não falasse

com esse punhal de prata

o sal sob o teu vestido

o sangue

no fluxo sagrado

sem nenhum segredo

esse relógio

apontado pra lua

não fosse essa jura secreta

mesmo se fosse

eu não dissesse

essa ostra no mar

das suas pernas

como um conto

do marques de sade

no silêncio

logo depois do susto

 

artur gomes

http://balckbilly.blogspot.com

http://babycadelinha.blogspot.com

 

 


Escrito por artur gomes às 08h05
[ ] [ envie esta mensagem ]

04/05/2006


Há dias procuro em mim a tua escrita,
tuas marcas e teus desejos
Mas a tua escrita amorosa em minha pele
é alfabeto sem vogais,
único e conceitual,
suave e singular.
É um código secreto
Não está na língua dos povos
e diz respeito ao nosso tato.
Nossos sorrisos e nossos horizontes.
Com a ponta dos dedos absortos
beijo a tua face e num enlace
revela -se a nossa libido.
Tua leitura exige desenhos flamejantes
As linhas vão se firmando
Na minha pele, na tua alma
No meu ser, no teu sonho
Há uma pintura de coração na minha cabeça
E a palavra leitura no lado esquerdo do peito
A tua escrita é leve, tão leve
Que tu me marcas com tinta forte e penetrante
ao invés de lápis e grafite.

 

San


Escrito por artur gomes às 08h32
[ ] [ envie esta mensagem ]

Só sei


Queria amanhecer em guerra
Em
canções de fúria
Em poemas elétricos
Beijos selvagens
Sexo fútil e com dor
Pele dura
Coração
em pedra
Saliva
amarga
Em luta de corpos

Queria anoitecer errático
Espíritos sombrios
Tragando a fumaça
Alimentando a fera
Acendendo um fogo cruel
Transgredindo a liberdade
Profanado o sagrado
Violando as virgens
Cidade em fumaça

 

Marko Andrade

 

Escrito por artur gomes às 08h30
[ ] [ envie esta mensagem ]

Hilda Hilst

 

Enquanto faço o verso, tu decerto vives.
Trabalhas tua riqueza, e eu trabalho o sangue.
Dirás que sangue é o não teres teu ouro
E o poeta te diz: compra o teu tempo
Contempla o teu viver que corre, escuta
O teu ouro de dentro. É outro o amarelo que te falo.
Enquanto faço o verso, tu que não me lês
Sorris, se do meu verso ardente alguém te fala.
O ser poeta te sabe a ornamento, desconversas:
“Meu precioso tempo não pode ser perdido com os poetas”
Irmão do meu momento: quando eu morrer
Uma coisa infinita também morre. É difícil dizê-lo:
MORRE O AMOR DE UM POETA.
E isso é tanto, que o teu ouro não compra,
E tão raro, que o mínimo pedaço, de tão vasto
Não cabe no meu canto.

 

In panorama da palavra

www.panoramadapalavra.com.br


Escrito por artur gomes às 08h28
[ ] [ envie esta mensagem ]

Quando eu percebi
que o agora se esvaía
por entre os dedos da minha mão
quase transbordei
meu passado
e futuro
enquanto meu ontem
já descia pelo ralo...
sufoquei certos segundos...

(joana flor)

Escrito por artur gomes às 08h26
[ ] [ envie esta mensagem ]

O Vento Vivendo na Casa          

 

vento e mar talharam-se no meu corpo

cessar tua estação em mim foi impossível

 

sorvi o sumo que sopra nos ares a maresia

roubando-te estrelas marinhas para emprestar à noite

siderei-me no teu céu sem vestes

tingindo-me azul têmpora tronco e membro

 

colhi versos nos teus olhos

coisa pássara

pousados nos girassóis

violinos deitaram adágio sobre a terra de ti

casa de sementes imersas lírio e orvalho

 

Jacineide Travassos

http://odisseiadepenelope.zip.net

Escrito por artur gomes às 08h23
[ ] [ envie esta mensagem ]
Busca na Web:

Histórico

Outros Sites

Visitante Número