Artur Gomes & Gumes - Meu coração Marçal Tupã Sangra Tupy & Rock And Roll


10/08/2006


Escrito por artur gomes às 18h54
[ ] [ envie esta mensagem ]

bolero blue

 

beber desse  conhac

em tua boca

para matar a febre

nas entranhas entre dentes

indecente

é a forma que te como

bebo ou calo

e se não falo quando quero

na balada ou no bolero

não é por falta de desejo

é que a fome desse beijo

furta qualquer outra

palavra presa

como caça indefesa

dentro da carne

que não sai

 

arturgomes

http://arturgomes.zip.net

baladas, blues e poesia. entre e ouça:
http://www.soundclick.com/fulinaimasaxbluesepoesia
http://www.soundclick.com/arturgomesfulinaima
http://www.soundclick.com/fulinaimaoutrasvozesoutrasfalas

http://www.soundclick.com/blackdays

www.soundclick.com/riverdies

http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=18565291

 

 

Escrito por artur gomes às 18h53
[ ] [ envie esta mensagem ]

eu poderia abrir teu corpo com os meus dentes

Escrito por artur gomes às 18h50
[ ] [ envie esta mensagem ]

Canja PoÉtica

 

amanhã quinta (10)  a partir das 22:30h  entre uma rodada e outra de samba comandada por Daniela Passos,  Poesia ao Vivo com Artur Gomes no Braseiríssimo (Rua Tenente Coronel Cardoso, ao lado da quadra de Tênis – Campos dos Goytacazes-RJ)

 

Carne Proibida

 

o preço atual

proíbe que me coma

mas pra ti

estou de graça

pra ti

não tenho preço

sou eu quem me ofereço

a ti:

músculo & osso

leva-me à boca

e completa o teu almoço

 

arturgomes

http://arturgomes.zip.net

http://ladygumes.blogspot.com

http://federicobaudelaire.zip.net

www.soundclick.com/riverdies

 

 

 

 

Escrito por artur gomes às 18h41
[ ] [ envie esta mensagem ]

08/08/2006


retalhos imortais do serAfim - um presente do meu amor de amiga Claudia Gonçalves

Escrito por artur gomes às 21h46
[ ] [ envie esta mensagem ]


Deixa-me ser a tua amiga, Amor,
A tua amiga só, já que não queres
Que pelo teu amor seja a melhor
A mais triste de todas as mulheres.

Que só, de ti, me venha magoa e dor
O que me importa a mim? O que quiseres
É sempre um sonho bom! Seja o que for,
Bendito sejas tu por mo dizeres!

Beijá-me as mãos, Amor, devagarinho...
Como se os dois nascêssemos irmãos,
Aves cantando, ao sol, no mesmo ninho...

Beija-mas bem!... Que fantasia louca
Guardar assim, fechados, nestas mãos,
Os beijos que sonhei pra minha boca
!...

 

Florbela Espanca

 

Escrito por artur gomes às 21h45
[ ] [ envie esta mensagem ]

 

 

Flora

 

reluz em mim amor e flora

que tal riqueza em luz aflora

com tal beleza total menino

clara evidência voz e destino

 

e se não fores mansa

é que virás do mar

virás da mãe flora lumiar

e virás da tarde e do amanhecer

e serás tão linda

que ainda vai saber

 

que andei por folhas

pra te germinar

e deixar sementes

pra te alimentar

e se não fores flora

é o que vou fazer

desse grão de vida

que está pra nascer

 

arturgomes

maio/1983

http://fulinaimicamente.zip.net

 

Escrito por artur gomes às 14h59
[ ] [ envie esta mensagem ]

07/08/2006


o poeta é a antena da raça mas essa antena não capta a raça do poeta

Escrito por artur gomes às 16h40
[ ] [ envie esta mensagem ]

grafite

 

arquiteto

no poema

o que é

concreto

fato foto

palavra

artefato

grafia

artesanato

 

arturgomes

http://tropicanalice.zip.net

 

 

 

Escrito por artur gomes às 16h39
[ ] [ envie esta mensagem ]

poética: jura não secreta

 

hoje aqui me tens

o rosto

exposto

no poema

 

nos lábios

o gosto

do beijo

que roubou

em minha boca

naquela noite de cinema

 

arturgomes

http://sagaranagens.zip.net

Escrito por artur gomes às 16h37
[ ] [ envie esta mensagem ]

são lourenço do sul-rs - um presente de claudia gonçalves - um amor de amiga

Escrito por artur gomes às 16h36
[ ] [ envie esta mensagem ]

quando olho nos olhos

sei quando uma pessoa

está por dentro

ou está por fora

quem está por fora

não sustenta um olhar

que demora

diante do meu centro

este poema me olha

 

paulo leminski

Escrito por artur gomes às 16h35
[ ] [ envie esta mensagem ]

mayara - futura bióloga - amiga gaúcha de bento gonçalves

Escrito por artur gomes às 16h34
[ ] [ envie esta mensagem ]

PoÉtica

 

quando tenso

o poema penso

fio suspenso

                no Ar

quando teso

o poema preso

peixe surpreso

                 no Mar

 

arturgomes

http://carnavalha.zip.net

 

Escrito por artur gomes às 16h32
[ ] [ envie esta mensagem ]
Busca na Web:

Histórico

Outros Sites

Visitante Número